NOTÍCIAS

Crianças a partir de três anos já podem ser educadas para se comportar no trânsito

É possível conscientizar os pequenos com jogos e brincadeiras

Publicado em
Crianças a partir de três anos já podem ser educadas para se comportar no trânsito
Crédito: schutterstock.com
Comportamento da criança é influenciado não apenas pelas ações dos pais ao transitar, mas também por suas relações interpessoais

Em todo o mundo, a cada quatro minutos, uma criança morre vítima do trânsito, segundo dados da Ong Criança Segura. No Brasil, de acordo com o Datasus, em 2012 foram 4.580 mortos por ano, destes, 38% são atropelamentos. Na faixa etária de 1 a 4 anos os acidentes representam 30% das mortes e 48% de 5 a 9 anos.

Por isso, é importante educar as crianças neste cenário, para que compreendam a necessidade de atitudes responsáveis e que não coloquem em risco suas vidas. 
Para a especialista em mobilidade da Perkons, Idaura Lobo Dias, para reduzir estes números é importante orientar as crianças sobre como se comportar quando pedestre e ocupante de veículo. “Atividades lúdicas ajudam a criança a entender, reconhecer o comportamento adequado para cada cenário e ter consciência dos limites e das capacidades que deverão desenvolver para estar no trânsito. Assim, a criança aprende brincando”, afirma a especialista, que lembra que o projeto Trânsito Ideal, possui um link com propostas de atividades para trabalhar o tema com crianças: como sinalização, as cores do semáforo, cuidados ao atravessar a rua, direções e a importância da faixa de pedestres e da cadeirinha.

Transitar é lição na escola

Em algumas escolas, trânsito também é assunto para a sala de aula. De acordo com a psicopedagoga e vice-presidente do Sindicato das Escolas Particulares (Sinepe/PR), Esther Cristina Pereira, a conscientização sobre a importância da educação no trânsito pode ser trabalhada de forma ampla através de uma série de ações, tanto em sala de aula como em projetos extracurriculares e multidisciplinares. “As possibilidades de trabalhar o tema são infinitas. Com criatividade, os professores podem fazer com que os alunos reflitam sobre a questão por meio de jogos, filmes, leituras, teatro, atividades artísticas e até mesmo pela observação de como eles transitam pela escola, fazendo um paralelo com o trânsito das ruas. Vivenciar o tema e trabalhar com situações reais de forma lúdica torna o aprendizado muito mais prazeroso e eficaz”, sugere.

Os resultados deste trabalho, desde cedo, segundo Esther, são cidadãos conscientes de suas responsabilidades perante a sociedade, tanto no trânsito quanto fora dele. “O mais interessante é notar que eles aprendem e chamam a atenção dos adultos para a questão, alterando o comportamento da família no trânsito. Eles se tornam pequenos ‘fiscais’ e passam a observar e a ’denunciar’ as infrações cometidas pelos pais”, complementa.

Entre os projetos desenvolvidos para conscientização está o da Escola Atuação, em Curitiba. Criado há mais de 15 anos, o projeto A tua ação no trânsito, tenta mostrar aos pequenos como funciona o trânsito, através de uma série de atividades. “De forma lúdica e divertida, eles aprendem e chamam a atenção dos adultos para a questão”, explica Carolina Frizon, coordenadora pedagógica .

Os alunos maiores realizam trabalhos específicos e ouvem palestras sobre o tema. Para os menores, a escola construiu uma minicidade. Nela, triciclos assumem o papel dos carros. Com semáforos e placas de sinalização, os pequenos atuam como motoristas, pedestres e agentes de trânsito, vivenciando o tráfego como gente grande. “A maioria dos acidentes não são realmente acidentes, pois poderiam ser evitados por meio de uma mudança de comportamento. E é isso que queremos passar para os pequenos: educação e gentileza no trânsito só geram bons frutos”, afirma a coordenadora pedagógica.

Exemplo dos pais educa os filhos

O vídeo Child see. Child do, da National Association for Prevention of Child Abuse and Neglect mostra como as crianças copiam as atitudes dos pais. A campanha é um alerta para que os adultos observem seus próprios hábitos e reflitam de que forma estão influenciando os filhos.

O comportamento da criança ao transitar é influenciado não apenas pelas ações dos pais, mas também por suas relações interpessoais e condutas negativas, conforme explica a psicóloga especialista em comportamento de trânsito e diretora do departamento de crimes de trânsito e perícias da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET), Julieta Arsênio. “O senso crítico que se desenvolve na criança, e que será levado para a vida toda, é moldado por emoções que ela ainda não sabe lidar de forma adequada, tornando-a insegura e fragilizada, quando não está inserida num meio familiar adequado”, diz.

A especialista salienta que a partir do terceiro ou quarto ano de vida, que é quando se forma o senso crítico de cada indivíduo, já é possível educar os pequenos para o trânsito. “As orientações dadas, devem ser sobre situações que a criança está vivenciando, não mais do que isso”, indica.

A dica da psicóloga para formar cidadãos mais conscientes é começar em casa. “Se nos comportamos adequadamente no meio em que vivemos, com certeza seremos cidadãos mais conscientes e cordiais no trânsito. Não se educa com exemplos negativos e sim com bons exemplos”, completa.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.